terça-feira, 4 de janeiro de 2011

NA ERA DA PESCOÇADA

Na concorrida vida contemporânea vivemos pescoçando (espiando e zoiando) o que os outros estão fazendo; com medo de ficar defasado, para trás. Queremos participar de tudo, saber a respeito de tudo o que rola de novidade por aí; custe o que custar – mesmo que nos custe o pescoço.

Pescoçar por simples curiosidade é bom e divertido.
O problema é pescoçar sob a ação do medo e da ansiedade que geram tensão e até contraturas.
A musculatura, os ligamentos e as inserções dos músculos na parte óssea; são os lugares preferidos dos efeitos da tensão permanente decorrente do estresse crônico, para localizar processos inflamatórios. Daí que nessa conjuntura, torcicolos estarão na moda nos próximos tempos. Não se assustem os pescoçudos nem se alegrem os sem pescoço – pois, a limitação dos movimentos e a dor decorrente dessas inflamações não é proporcional ao tamanho do dito; até gente sem ou com pouco vai sentir muita dor e limitação. Tanto pelas contraturas e inflamação quanto pelas hérnias de disco e as calcificações anormais.

Poucos estão imunes a perigosas pescoçadas; daí, é sinal de inteligência; cuidar e mudar:

A postura: dentre muitas velhas e novas colocações da comunicação; a definiremos como forma de pensar, sentir e agir que se materializará no corpo físico como atitude corporal.

Inquietude física: ranger de dentes, sobressaltos, espasmos musculares...; não conseguimos mais relaxar, nem durante o sono; Ossos, músculos, tendões, ligamentos, toda a estrutura de sustentação do corpo humano no estresse crônico permanecem em tensão e rígidos o tempo todo, e depois de algum tempo e muitas pescoçadas, é normal que as inflamações comecem: tendinites, L.E.R, bursites, artrites, artroses, fibromialgia, etc.

A coisa é antiga – não surge de uma hora para outra - depois de algum tempo dessa postura de pescoçar sob a ação do medo e da ansiedade, é que surgem os avisos - e isso, não quer dizer: assim que começaram os sintomas; pois todo o processo se inicia bem antes.
Pois, todas as realizações humanas tanto as boas quanto as inadequadas, são lentas e eternas construções.

O problema de pescoçar é mais embaixo; vai além do local; e nos afeta em outras áreas:

Física e moralmente.
As pessoas deitam-se e acordam cansadas e com o corpo todo dolorido. Isso não é novidade, esse problema já é bem antigo; apenas daqui em diante ficará muito mais vibrante. E, não se trata de uma visão pessimista; mas sim, realista. Um dos parâmetros para esse chute adivinhatório, é que somos lentos em executar mudanças.
Todos os que hoje se desesperam e se revoltam com suas limitações e dores do pescoço para baixo e do pescoço para cima, começam a perceber que a ação da medicina a cada dia torna-se mais limitada. O alívio que os remédios proporcionam é cada vez menos intenso e o tempo de duração do efeito é cada vez menor.

Embora seja assunto para outro bate papo; vamos adiantar algo:

IRREGULARIDADES NA CIRCULAÇÃO DA CABEÇA

A tensão permanente localizada principalmente no pescoço, nas costas e na coluna toda, faz com que a chegada de sangue à cabeça diminua ou se torne irregular com muitos altos e baixos. Com isso: a visão está cada vez pior, um dia o sujeito enxerga bem e noutro não. A cada dia mais e mais pessoas apresentam dificuldade de concentração, vertigem psicogênica e até crises de labirintite. A memória está ficando péssima para gente de todas as idades. O raciocínio está cada dia mais cansativo, qualquer trabalho intelectual desgasta.

Pescoçar é bom – mas, pescoce com moderação.
Cuidado para não perder o pescoço; nem a cabeça.
Aproveite e compre uma pescoceira para deixar de reserva; pois nunca se sabe quando aquele torcicolo federal vai chegar...

Um comentário:

Marta de Freitas disse...

Nossa, li post e curti o blog.

Pensando bem, se for olha pelo lado positivo dessa "pescoçada", ela que move o mundo, pois ela nos impusiona a evoluir, a buscar o "melhor". claro que como todas as outras coisas, tem o seu lado negativo.. mas temos que concordar.. que sem as famosas "pescoçadas" não estariamos aqui hoje, com as condições atuais.

Tô seguindo o blog, aproveita para ir até o meu espacinho ~> http://algoinenarravel.blogspot.com/
segue lá tbm..

beijos, e até mais

Livros Publicados

Livros Publicados
Não ensine a criança a adoecer

Pequenos descuidos, grandes problemas

Pequenos descuidos, grandes problemas

Quem ama cuida

Quem ama cuida

Chegando à casa espírita

Chegando à casa espírita

Saúde ou doença, a escolha é sua

Saúde ou doença, a escolha é sua

A reforma íntima começa no berço

A reforma íntima começa no berço

Educar para um mundo novo

Educar para um mundo novo