quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

PARA QUE ESTAMOS ESTRESSANDO NOSSAS CRIANÇAS?







     Será que o ganho em tempo e qualidade de vida irá continuar durante muito tempo?

    Ou é possível que o susto seja grande ao constatarmos que, boa parte das crianças de hoje terá dificuldades em atingir a vida adulta; caso nada seja feito para mudar certas tendências e conceitos do estilo de vida em curso.
Para grande parte delas no mundo contemporâneo, antigas preocupações de saúde como: falta de saneamento básico, dieta inadequada ou falta de comida deixaram de ser prioridade absoluta, tornaram-se inimigos quase obsoletos da sua longevidade.

     Hoje, há perigos maiores e mais imediatos capazes de abreviar a vida de milhares: A mídia, o consumismo, a família, a escola, a vida em sociedade.

     Para livrá-las dessas armadilhas é preciso ler com cuidado os fatos estampados no nosso dia a dia e, não apenas os escritos e comentados na mídia.

     Se nos descuidarmos, como vem sendo feito, pais e filhos podem ser “enterrados” muito próximos no tempo; até antes que o vovô e a vovó.
Não é difícil que muitos modernos pais venham a chorar a morte dos seus filhos, primeiro.

     As que tentam se rebelar; essas são rotuladas, medicalizadas e até colocadas em camisa de força química...

domingo, 23 de dezembro de 2012

FELIZ E DOCE NATAL



COM AÇÚCAR E COM AFETO

        O açúcar é uma coisa tão refinada que vai direto para o sangue e causa uma série de alterações físicas e mentais no consumidor. 
O açúcar dá uma bobeira mental, cientificamente explicada pelo encontro da insulina com um aminoácido chamado Triptofano que é rapidamente convertido no cérebro em Serotonina, um tranquilizante natural.

     "Madame está nervosa”?
     “Dá água com açúcar pra ela que passa."  

    Na Índia, alguns séculos antes de Cristo, os médicos usavam o açúcar como remédio. Foi só ali perto do ano 600 que os Persas bolaram a rapadura, daí  começou o tráfico da sacanagem do ficar calmo não “baseado” em esforço próprio, mas induzido.

     Mais próximo de nós:

     Na Europa não tinha açúcar, ele era importado e custava muito caro e só os nobres podiam comprar: "Nada de drogas para os pobres".  
Em 1532, um pilantra da história; um tal de Martin Afonso de Souza instalou em São Vicente o primeiro engenho de açúcar” no Brasil, movido a escravos, é claro; "só 20 milhões de africanos dançaram nessa empreitada".    

     Em 1665, a Inglaterra já importava 8 milhões de quilos por ano. Nesse mesmo ano, a peste bubônica matou 30.000 pessoas em Londres, pessoas que tinham acesso ao açúcar, porque no campo, entre os pobres ninguém morreu. 
     Será que ninguém desconfiou da relação da nova doença e o espantoso consumo de açúcar? Já que o açúcar predispõe o corpo a infecções por causa da acidez exagerada que ele provoca. Desconfiaram, mas ficaram calados, pois seria um crime de lesa-majestade insinuar que a Coroa enriquecia ás custas de um vício pernicioso. E ai ficou por isso mesmo e está assim até hoje.  
     Por volta de 1600 as autoridades inglesas sabendo que o açúcar boa coisa não era, proibiram severamente o uso do açúcar para apressar a fermentação de cerveja. É CLARO; ELES A BEBIAM!

     Em 1792 os melhores cientistas da Europa fundaram uma sociedade anti-sacarina.  Em 1912, o Dr. Robert Boesler, dentista norte americano escrevia que "... a moderna fabricação do açúcar nos trouxe doenças inteiramente novas".   O açúcar comercial nada mais é do que um ácido cristalizado. No passado, com seu alto preço, só uma minoria nobre podia utilizá-lo, contudo, agora o seu altíssimo consumo está causando a degeneração nos seres humanos e até em animais.
Por exemplo: beija-flores que utilizam bebedouros de água com açúcar. 

     Mas e o açúcar mascavo orgânico; o mel; eles também fazem mal? 
     Um exemplo bem simples para podermos entender:

     Um dia; andando pela mata, uma pessoa descobriu a cana-de-açúcar: "Nossa, que delícia !" E levou para sua casa. Bom... o mano conseguiu chupar 3 paus de cana em meia hora e ficou com a boca cansada.  Ele devia ter ingerido aproximadamente 350 ml de um líquido contendo: água, sacarose, sais minerais, vitaminas, fibras, etc... Beleza, ele conseguiu digerir numa boa. Seu pâncreas nem reclamou.  E agora, todo mundo "chupa cana"? Passado algum tempo, eis que: "Pô mano, chupar cana num é mole não... num dá pra espremer o bagaço"? E deu; inventaram a garapa.  QUE MARAVILHA! Opa! "péra" aí... mas já era tarde, o mano começou a tomar garapa que nem água - 500 ml a 1 litro em 10 minutos. Aí o Sr. Pâncreas dele começou a reclamar porque estava fazendo horas extras todos os dias; e insulina no mano!
 
     De novo:

     Um dia, alguém resolveu ferver a garapa, e saiu o melado de cana, muito mais concentrado: 10 litros de garapa virou um copo de melado.
"Que delicia!
Vamos fazer um bolo?...
Que nada, vai puro mesmo"!
E aí o mano virou o copo pra dentro. 
Imaginando a proporção: 10 litros de garapa dentro de um copo ingeridos em 10 minutos. É, gente... o pâncreas que se cuide!   Para agravar a situação, os persas bolaram a rapadura, ainda mais concentrada, e logo após, as benditas refinações. Aí "ferrou o jegue"!  Surge então uma doença nova e mortal: a DIABETES MELLITUS que fazia as pessoas eliminarem açúcar pela urina, ou seja, vazarem pelo ladrão.   Inicia-se a era das novas doenças "a degeneração da raça humana" causada pelo mau uso do açúcar , que causa um STRESS absurdo no organismo e o pâncreas para de produzir insulina. Não bastando ainda, causa defeitos genéticos. Por exemplo: hoje, a cada 5 crianças que nascem, quatro serão diabéticas. Quando você decidir ter um filho, junte mais 4 casais e joguem palitinho para sortear qual terá o filho não diabético. Hoje existem 7,5 milhões de diabéticos no Brasil. Mas, pelo menos dez vezes mais que o são sem saberem. Morrem 300.000 por ano nos EUA de diabetes nas velhas estatísticas.  Portanto não importa se é açúcar orgânico, mascavo ou mel. O problema é a super concentração de açúcar que, quando ingerida, vai depressa demais para a corrente sangüínea, queimando todas as etapas da digestão, fazendo subir o nível da glicose no sangue, aí o pâncreas é obrigado a produzir uma quantidade extra de insulina. A insulina vai lá e abaixa o nível, aí dá vontade de comer mais açúcar. Sobe o nível, e o pâncreas solta insulina; logo abaixa o nível... E assim por diante, até chegar uma hora que o pâncreas não entende mais nada. Você come um bombom; seu pâncreas solta insulina para caixa inteira; é a HIPOGLICEMIA, adeus amigo você é um novo diabético ansioso, depressivo, que come cada vez mais compulsivamente e graças a Deus vai para os quintos do universo... Entre jovens e adultos, cinco a cada cinco, hoje tem a doença - estágio pré-diabético.  SERÁ VOCÊ O PRÓXIMO? Como se não bastasse tanto malefício, a acidez causada pela ingestão concentrada de açúcar predispõe o corpo a infecções de todos os tipos de fungos a vírus e bactérias.  Se você acha isso que leu agora uma questão de opinião; então continue como está! Ou então pare enquanto ainda é tempo, por amor a si PRÓPRIO e à Natureza!   Pois a cana de açúcar é uma das pragas a acabar com o planeta.

     Vem cá meu bem que vais ganhar um docinho – a continuidade do assunto rsss...


domingo, 9 de dezembro de 2012

PELO AMOR DE DEUS: PERMITA QUE TEU CORPO SE EXPRESSE




     FAZ SILÊNCIO DENTRO DE TI.

    Pára um momento e ouve.
    Sim é o teu corpo tentando se expressar:

Eu não gosto do bom gosto; apenas!
Eu não gosto da etiqueta; por si só!
Eu agüento até os rigores e o modernismo das cores e dos sabores!
Mas, eu não gosto de maus tratos!
E, eu não ligo para as receitas!
Cuidado comigo!
Pois;
Quando contrariado, falo a língua da dor!
Entendes?
Ou queres um tradutor?

    Claro que os adultos deveriam ter aprendido a ouvir o próprio corpo ao invés dos arautos da milagrosidade cheia de interesses.
    A criança deve ser ajudada a ler, sentir a linguagem do corpo que fala.
    Quando ensinada a distinguir entre a doença e as particularidades pessoais; a criança começa a permitir que o seu corpo se expresse; e aprende a ouvir e a entender sua linguagem: simples, clara e direta e ás vezes contundente.
O perigo que as ronda é a subversão das mentes externas familiares e sociais ainda pouco desenvolvidas e metidas a interpretes das suas necessidades.
Para que tenhamos paz social e amor: Ela deve ser ajudada a educar-se para decifrar a linguagem do seu corpo, pois ele se expressa de várias formas.

A linguagem orgânica mais fácil de ser entendida é o sofrimento: dor, febre, mal estar, etc.

    Já a mensagem do prazer e da satisfação é mais difícil de ser compreendida para pessoas ainda parcamente treinadas na arte de pensar; exceto nos exageros que fatalmente levam ao sofrer (infelizmente poucos ainda compreendem e querem entender esses avisos).

    Cuidado para não dar um:
Cala a boca que não te perguntei nada! – á voz do teu corpo na forma de remédios.
Claro que uns são ais estúpidos do que outros na sua forma de atuar...

    Se ainda não és capaz de amar a ti mesmo – usa o paradoxo do amor de Deus; mas...

Namastê.

sábado, 8 de dezembro de 2012

Os mistérios da língua...





    Depois da boca e dos lábios; nossa próxima parada na viagem pela nossa intimidade física e psicológica:

    Na boca fica a língua que no ato de comer tem muitas finalidades; tais como a percepção da temperatura e de sentir o gosto dos alimentos. Além disso, é uma espécie de porteiro subordinado à mente que deveria selecionar: quem ou o que, pode adentrar na intimidade do nosso ser.

Para que serve a língua?
 
  A língua como órgão figurado ou concreto, é um aparelho de incrível utilidade na evolução humana.

    Será que nossos defeitos de caráter podem “impressionar” nossa língua física?

    O que nos mostra a língua concreta, materializada na frente do espelho?

    O que uma língua saburrosa, branca, amarelada ou esverdeada quer nos dizer?

    Pode seu aspecto nos mostrar problemas em órgãos tão distantes quanto o rim e o fígado?

    Rachada, fissurada, exfoliada, ela sinaliza o que?

    Pode estar nos alertando quanto a ganância, impaciência, cólera, inveja?

    O que sinaliza um câncer de língua?
    Será que nos especializamos em colocar uns contra os outros?
  
    Não é nossa tarefa neste pequeno estudo, distinguir nem definir quem se relaciona com o que.
Mas:
Vale a pena conhecer o que nos mostra a medicina chinesa sobre as informações que o aspecto da língua fornece com relação á nossa saúde.

E para decifrarmos os ditos populares:
Língua de trapo.
Língua venenosa.
Língua grande; etc.

Namastê.

sábado, 1 de dezembro de 2012

QUE FALTA FAZ A EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE



QUE FALTA FAZ A EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

    No tipo de cultura que vivemos as pessoas apenas conseguem relacionar doenças a fatos escabrosos da dieta.

    Quando o sujeito se empanturra, vomitando, apresentando dor de estômago, diarréia; na ingestão de alimentos contaminados ou infectados; nesse caso, relacionam com dieta. Alguns até já relacionam seus hábitos alimentares com doenças bem trabalhadas pela mídia como: o consumo de açúcar e diabetes; a ingestão de gorduras com a elevação do colesterol; o consumo exagerado do sal com a hipertensão, etc.

    SE VOCÊ É O QUE COME...

    É possível saber muito a seu respeito observando como se alimenta.

    Nunca é tarde para começar a prestar atenção.

sábado, 3 de novembro de 2012

NÃO QUERO SER O CENTRO DO UNIVERSO





Filhocentrismo?

     O filhocentrismo lembra a superproteção; mas é importante saber distinguir uma da outra.

     Pais superprotetores sempre houve; incapazes de serem objetivos e coerentes.

     As figuras do filhocentrismo são mais recentes, inseguras e atordoadas na sua condição de pais; por uma realidade que se modifica muito rápido; sentem-se pessoalmente culpados por não poderem reproduzir para seus filhos a vida que tiveram ou que gostariam de ter tido em criança.

     Exteriormente suas atitudes podem ser parecidas.
     Mas os filhocêntricos se anulam e se vêem incapazes de dizer não ao filho; de estabelecer limites; de sinalizar o espaço da criança a partir de seu próprio espaço de pais; anulam-se sob o falso pretexto de amar demais.
E conspiram contra a construção da identidade dos filhos.
A criança passa a sentir-se o centro do Universo; daí acha que tudo quer; tudo pode e torna-se um “aleijão ético/moral” como tantos que vemos por aí cometendo grandes desatinos.

     Quando a criança passa a ser a principal razão de ser do casal; torna-se uma fixação, capaz de transformar-se em obsessão danosa a todos; pois é preciso que os pais zelem pela sua própria paz e realização pessoal. Até para que seus filhos saibam fazer o mesmo quando chegar a hora deles.

     O amor dos pais não é panacéia; mas crianças que crescem num ambiente seguro, com pais amorosos e lúcidos, aprendem a modular suas reações ao Estresse.

     Crianças que vivem relações emocionais estáveis estão mais protegidas contra os fatores estressantes do dia a dia.

Paiê!
Manhê!
Deixa eu crescer?

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Por que é tão difícil dizer: Não!




ÁS VEZES EU QUERIA TANTO DIZER: NÃO!
QUANDO EU DIGO: SIM!

    A arte da comunicação se aprende dentro de cada um de nós; e com tudo os que nos rodeia.

    Quando ouvimos o termo comunicação; logo nos vem á mente a imagem de duas pessoas conversando.

     Nós esquecemos que a principal forma de comunicação é a interna: nosso corpo mental se comunicando com o emocional, o astral e o organismo físico.
A falta de um diálogo baseado na verdade que liberta é uma das principais causas de doenças.

    A comunicação externa: também implica em qualidade de vida de forma intensa; pois, somos seres interativos e interdependentes em múltiplos sentidos.

    Na conversa com nossos botões, na comunicação interna o uso da palavra “não” deve ser bem fiscalizado.
Pois estamos acostumados a dizer o que queremos evitar; quando devemos dizer o que pretendemos atingir; o termo “não” nesse caso é limitante; diminui perspectivas, fecha portas; atrapalha realizações.

    Quando se trata de usarmos a palavra “não” em nossa vida de relações, o maior problema é o sentido de negação; que carrega consigo valores afetivos; impostos pelo sistema de crenças da educação tradicional: Se me é permitido; sinto-me amado; mas se; é negado não sou querido.

    Por que é tão difícil dizer a verdade?

    Namastê.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012


COMO CONSEGUIR UM MUNDO DE PAZ?

SE:
  
 A criança já nasce no meio de uma verdadeira batalha pelo poder de controlar os outros.

    Muitas vezes, já nascemos no meio de uma guerra entre a família do pai e a da mãe.
Avós disputando ferrenhamente para ver com quem a criança mais se parece, ou para ver quem fica mais tempo com ela no colo, quem dá os presentes mais caros.

     Na vida em família logo ao nascer já nos deparamos com uma competição muito forte.

     Para evitar as crises de ciúmes entre os adultos, a criança aprende a controlar e, ás vezes, até a bloquear manifestações de afeto para não sensibilizar uns e outros; e passo a passo deixa de ser espontânea.

     Pai e mãe disputam o controle do grupo familiar, usando todas as armas subconscientes de que dispõem, num jogo de vale tudo, que não percebem com clareza. Pois, não fomos treinados a adquirir consciência de quem somos, e de como nos comportamos frente às situações cotidianas.

     A criança logo aprende as regras do jogo, e começa a disputar de afetos a brinquedos com os que se tornam sem querer os maiores adversários de ocasião: seus irmãos.

    Ela aprende de forma subconsciente com os adultos que, vale quase tudo para controlar os outros ou para atingir seus desejos mais imediatos, etc. E, aplica isso com destreza nas suas brincadeiras e no seu dia a dia, no entanto, os adultos gostam de ignorar o que está á mostra; mas, que precisa de esforço para ser mudado; é mais fácil fingir que é apenas um momento, algo passageiro, coisa de criança (que levará às vezes a vida toda para se resolver do jeito mais difícil: via dor e sofrimento).

    O clima é de desastre, pois muitos da atualidade já nasceram com os pais em fase de litígio e de separação, às vezes, seu nascimento até é o fator que detona a separação; a desculpa que faltava para justificar.

    Nesse clima em que nascemos, fomos e, somos criados; é de se esperar que, a maior parte de nós esteja sempre se sentindo muito só; e até mal amados.

    E, se, um dia encontrarmos alguém com quem seja possível dividir nossas vitórias e derrotas íntimas já estivermos viciados em desconfiar dos outros, e já nos entregarmos na relação, com o freio de mão puxado; assistiremos novamente aos mesmos filmes:

FALTA DE AMOR – GUERRAS – VIOLÊNCIA - SOLIDÃO...

domingo, 23 de setembro de 2012

SEU INTESTINO É A CARA DO SEU CÉREBRO OU SEU CÉREBRO É A CARA DO SEU INTESTINO?



CADA UM DE NÓS TEM UM CÉREBRO QUE É A CARA DO SEU INTESTINO

Não acredita que o intestino seja o segundo cérebro?
Pegue uma foto dele e compare com a do cérebro: irmãos gêmeos?

O intestino ganhou essa fama por causa do sistema nervoso entérico: são milhões de neurônios espalhados por todo o tubo digestivo. Eles ficam nas camadas submucosa e muscular da superfície do órgão.

Cansamos de usar conceitos naturais sem perceber:

Essa pessoa é enfezada!
Cheia de fezes.
Produz pouca serotonina (substância relacionada ao humor e prazer de viver).

Essa pessoa faz uma “cagada” atrás da outra!
Claro que no sentido de atitudes; como a diarréia verbal; ou atitudes estrambólicas executadas pelo pensar pouco; será que tem gente que pensa mais com o intestino do que com o cérebro?

Verdades engraçadas á parte:
Os problemas decorrentes da constipação intestinal estão se tornando cada vez mais acentuados e perigosos. Especialmente pelo envenenamento que sofremos na vida contemporânea através dos alimentos: agrotóxicos e tranqueiras usadas na fabricação e conservação dos alimentos.

Causas da constipação intestinal?

Há pessoas que já nascem constipadas – tem a ver com a personalidade – há tipos de personalidade diarréica e outras constipantes que não evacuam (no sentido de expressar os sentimentos).

Muitas pessoas aprendem a constipação intestinal através da educação:
Desde cedo já demonstramos essa tendência, que irá acompanhar alguns pelo resto da vida; caso nada seja feito.
O adulto tem que auxiliar sua criança interna a adquirir o hábito de enriquecer a dieta com mais fibras e água, ao invés de acostumar-se com qualquer tipo de laxante. Mesmo nos dias atuais ainda se ouve a seguinte “pérola” de pessoas que não educam direito sua criança interior: “meu intestino é muito preguiçoso, só funciona se eu comer mais frutas, verduras, beber mais água, praticar ginástica etc. 

Algumas características de pessoas constipadas (não leve para o lado pessoal):
Controladoras.
Manipuladoras.
Medrosas de expor suas opiniões.
Inseguras para tomar decisões.
Dogmáticas.
Preguiçosas.
Avarentas.
Apressadas.

Pode parecer estranho que a qualidade de vida em todos os sentidos (até na evolução espiritual) dependa de um órgão tão desvalorizado.
Não dê um cala boca nele com laxantes; o preço a pagar vai ser muito alto.

Qual o número de evacuações ideal?
Segundo nosso estilo de vida: ao menos três (número básico de refeições em nossa cultura).
O correto é o bebê: uma comidinha uma cagadinha... (rsss). Conseguir isso é simples; fácil; gratuito; e não requer habilidade: só prática.

Assunto interessante:
Por que as mulheres costumam ser mais constipadas do que os homens?

Namastê.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

PENSAR BEM DÁ SAÚDE



PENSAR BEM DÁ SAÚDE

    A energia gerada pelo pensar canalizada pela vontade é potencializada pela emoção ou pensamento.
    A repetição cria o padrão pessoal de atitudes e de agir e fixa-o como tendência, impulso, compulsão, predisposição.
    Cada tipo de pensamento possui um comprimento de onda, amplitude e freqüência vibratória diferente; e que gera a coloração da aura.
Portanto, cada tipo de pensamento/sentimento tem a sua coloração própria. Pensamentos de raiva, de ódio, de mágoa têm comprimento de onda, amplitude e freqüência vibratória diferentes de um pensamento de respeito, fraternidade, amor. E, com certeza produzem colorações diferentes.
    Quem cultiva pensamentos e desejos de baixo padrão vibratório como inveja, intolerância, medo, ansiedade, agressividade, ira, desejos de vingança, além de criar terreno propício para doenças mentais e físicas ainda cria sintonia para que pensamentos/sentimentos do mesmo tipo penetrem em seu campo vibratório ou aura, interagindo e propiciando terreno para as obsessões.
    Quando numa linguagem ético/moral elevamos o pensamento, significa pensar com respeito, amor e fraternidade, pois os pensamentos deste tipo apresentam menor comprimento de onda, menor amplitude, e daí vibram mais rápida e intensamente; por isso, são altamente ativos, transformadores e protegem das emissões potencialmente maléficas, além de anulá-las promovendo uma limpeza da aura.
    Pensamentos elevados constantes ampliam o campo energético aumentando a zona de proteção.
    Quem sistematicamente cuida de seus pensamentos, consegue ativar um escudo de “defesa” na recepção das ondas eletromagnéticas geradas pelo pensar/sentir/agir dos outros e que lhes são dirigidas. E, se posiciona numa dimensão diferente da vida, pois também se torna capaz de vigiar a própria emissão; que a ele retornará dia menos dia.
    Manter esse escudo de defesa, ou seja, cuidar de manter pensamentos/sentimentos de alta freqüência, ajusta o padrão vibratório a outros idênticos; evitando a sintonia de freqüências inadequadas.
Experimente interagir ou conversar com uma pessoa extremamente ansiosa, caso você se descuide e se permita entrar no padrão de freqüência dela; em seguida sentirá uma opressão no peito, a respiração ficará mais curta e difícil, surge um desejo de ir não sabe prá onde.
Observe e comprove como somos capazes de nos influenciar o tempo todo mesmo sem perceber.
    Costumamos usar o desconhecimento dessa realidade energética para justificar nossas escolhas inadequadas. Cuidado, pois para atingir o resultado mínimo esperado para permanecer no Planeta não é preciso conhecer a fundo tais ciências. Basta apenas seguir o Mestre: “Vigia e ora”, mas vigia a ti mesmo e não aos outros. E devemos orar muito para que os bons espíritos possam sintonizar conosco e nos intuam as melhores escolhas e decisões.
    Essa postura de viver, além de saudável; é capaz de curar muitas doenças já em andamento.

    Saúde! Tin! Tin!

sábado, 8 de setembro de 2012




HEREDITARIEDADE NÃO É PUNIÇÃO NEM JUSTIFICATIVA

Adoramos desculpas e justificativas para nossas trapalhadas evolutivas e dentre elas uma das mais usadas:

O conceito de Hereditariedade:

Somos herdeiros de nós mesmos; de nossas escolhas e a dos que convivem e conviveram conosco; influenciando e modificando nosso DNA astral e físico.

Herdamos ou copiamos via educação?
Sim: você está condenando seus filhos a ser como você através da educação (nada a ver com instrução) – Com quem seus filhos vão se parecer mais com você ou com a “cuidadora” do berçário, da creche, a professora da escola?

Num conjunto de leis perfeitas a regular a evolução em absoluta igualdade de condições para todos; não há lugar para loterias; muito menos a genética.

O mais importante no tocante ás doenças (uma forma de comportamento):

Pode-se deduzir que devemos ser herdeiros de nós mesmos, e que a tendência para adoecer que trazemos ao nascimento é autotransmitida.
O arquivo de consciência arquivado no corpo astral é o fotolito e o código genético é a impressão.
Exemplo:
A situação do fumante frente a este mecanismo; fumar é um exercício de liberdade como outro qualquer que traz conseqüências já nesta existência como: gastrite, úlcera gástrica ou duodenal, hipertensão, alguns tipos de câncer, infartos, enfisema pulmonar, bem, isso todo mundo sabe, embora teime em ignorar, mas o que não imaginamos é que possam existir conseqüências no pós - túmulo; É justo que ao renascer a cobaia traga inscrito nos genes; a predisposição para.
Pois se condenou a desenvolver asma, bronquite, enfisema etc. Parece lógico que o fumante de hoje que não drenou no corpo físico atual, imprima as lesões causadas nos órgãos correspondentes no corpo astral que vive em 4D; e que depois as transfira para o código dos genes que será usado no corpo da existência seguinte...

Estamos condenados a sofrer os efeitos de nossas escolhas até o último centavo?
Não!
Pois:
Claro que a lei de causa e efeito não é punitiva; apenas educa.
Então tudo conspira para o nosso progresso.
Além disso:
Muitos fatores estão em jogo ao mesmo tempo; então os efeitos podem manifestar-se ou não numa próxima etapa.
Isso depende das necessidades de evolução da alma, e das escolhas que ela venha a fazer na nova existência.

            Se eu já detenho um mínimo de compreensão das leis da vida:
            Jamais devo usar  o conceito de hereditariedade como álibi ou desculpa...
       

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

DENTRO DE NÓS MORA UM HOSPÍCIO




Socorro; um maluco baixou em mim!

Somos um livro de psiquiatria ambulante; convivem em nós todos os distúrbios possíveis.

Predomina na maioria a neurose; sua base é a competição. Nós somos educados para sermos neuróticos; pois somos colocados para competir desde o nascer; mas também alternamos comportamentos e atitudes com: psicose, surtos psicóticos, atitudes psicopatas, esquizofrenia, bipolaridade, etc.

Como a neurose é o comportamento predominante hoje falaremos dela.

Algumas características dos Neuróticos:
    Ansiosos, inseguros, medrosos, ajustados ao meio, com boa elaboração psíquica, mais sofrem do que fazem sofrer, são muito competitivos por isso vivem em conflito consigo mesmos e com o ambiente, costumam reconhecer suas dificuldades e quando podem buscam tratamento. As Neuroses são reações vivenciais anormais nas quais nem sempre, no momento, podem ser percebidas as causas desencadeantes.

Vez ou outra nós vivenciamos:

Crise Neurótica:
    Desencadeia-se pelo acúmulo de pequenos desequilíbrios da personalidade como o Esgotamento Nervoso e o Estresse. Todos os casos são crises de desajuste. E, é preciso que fique claro que, o neurótico é vítima apenas de si mesmo e de suas escolhas.

A neurose apresenta um cardápio variado de tipos a escolher de acordo com as preferências pessoais.

Algumas facetas da neurose:
    
Neurose de Angústia - ansiedade permanente.
Neurose Fóbica – o sujeito focaliza um objeto ou situação.
Neurose Histérica - conduz à somatização.
Neurose Obssessiva - monodeísmo no sentido psquiátrico – o popular ideafix. Neurastenia - cansaço crônico por desperdício de energia com objetivos inúteis; com falta de troca energética adequada.
Hipocondria - preocupação exagerada com órgãos e funções.
Depressões Reativas - estado de profundo abatimento com pessimismo, desinteresse, idéias fixas e sentimentos de culpa.
Neurose de Auto-obssessão - pessoas que vivem voltadas para si mesmas, se preocupam
de forma excessiva com a saúde ou com fatos corriqueiros da vida, sofrem por inúmeras coisas. O doente constrói para si um mundo mental divergente, povoado de idéias mórbidas que se sobrepõem à razão distanciando-o da realidade.

Como diz o ditado: de médico e louco todo mundo tem um pouco; nós somos bons psiquiatras no diagnóstico alheio. Costumamos diagnosticar e colocar rótulos nas pessoas com quem convivemos: neuróticos, doidos, malucos, frente a determinadas situações. O difícil é admitir em nós tais desvios e quando o fazemos, é como se fossemos vítimas de uma loteria genética ou de sorte azar ou destino, e é comum colocar a culpa de nossas neuroses nos outros ou em determinados acontecimentos; ah! Isso é quando baixa em nós o lado psicótico; vamos falar disso depois.

Na primeira fase predomina o lado neurótico; daí o melhor a fazer é começar logo com a busca do diagnóstico de nós mesmos através do conhecimento do Eu Sou.

Quantos tipos de neurose você conseguiu encontrar no seu hospício íntimo com este resumo?

Nenhum?
Vixe surtou.

Menos de cinco?
Analise melhor.

Mais de cinco?
Fique tranqüilo; você é normal.


sexta-feira, 13 de julho de 2012

SÓ É GORDO QUEM QUER? - NÃO SÓ QUEM FOI EDUCADO DE FORMA DESCUIDADA


NÃO CONDENE SEU FILHO Á OBESIDADE

Daqui em diante, crianças que até os sete anos ou menos estiverem com sobrepeso, vão lutar de forma inglória contra a balança e uma minoria pode escapar da obesidade e do modelito corporal estilo: pêra ou beringela; mas com alto risco de desenvolver a gravíssima bulimia.
Até pouco tempo, juntando a fome e a vontade de comer: a família engordava a criança com seus maus hábitos e excessos; mas o estirão da puberdade se encarregava de ajeitar o biótipo. Mas para a molecada de hoje estressada de forma crônica e produzindo altos níveis de cortisol; isso acabou. Os mediadores químicos e os hormônios, produzidos no estresse crônico faz com que depositemos gordura: abaixo da linha da cintura, quadril e coxas e pior: no fígado.
Sorte das crianças que já apresentarem altos índices de colesterol ou pré-diabetes; pois, a família pode criar juízo; mesmo que sob pressão.

Discursar como estamos habituados; não adianta nada.
Mil palavras não valem uma atitude...

O número de crianças com sobrepeso aumenta em progressão geométrica, especialmente, pela falta de exemplos adequados:
O primeiro passo, a ser dado para a educação alimentar mais correta e inteligente da criança é a REEDUCAÇÃO DO ADULTO.

Enquanto a preguiça de pensar e de agir estiver no comando:
Santo colesterol alto e pré-diabetes...
Alguns pais tentam modificar a dieta dos filhos, mas, quase sempre o fazem; pressionados pelas doenças ou segundo uma recomendação médica.
E os que já andam na contramão da maioria?
Os que já tentam dar o exemplo; ainda devem tentar convencer: a vovó, o vovô, a direção da escola (o lanche da escola é um dos maiores vilões da má educação alimentar)...

O mote: “Só é gordo quem quer” – deve ser substituído por outro: Só tem sobrepeso quem foi educado de forma descuidada.

Sugestão para colaborar na resolução de tão grave problema:
A molecada já acima do peso deve se mobilizar e forçar a barra para que o sobrepeso seja incluído no Estatuto da Criança e do Adolescente ECA como delito.

REEDUQUE-SE: Antes que seja tarde...


quinta-feira, 5 de julho de 2012

O PERIGOSO AUMENTO DAS EXPECTATIVAS

 


    Nossa capacidade de discernir deixa muito a desejar.

    Não sabemos muito bem ainda quem somos nós e o que fazemos aqui. Somado a isso, temos a ação intensa do marketing e da mídia de consumo nos dizendo a vida toda e a todo instante, o que é o melhor para nós.
Para ser vencedor e feliz tem que possuir isso; fazer aquilo...
Na verdade poucas de nossas expectativas são realmente nossas, a maior parte foi plantada em nosso subconsciente pelas outras pessoas. E elas foram movidas pelas mais diferentes formas de interesses e objetivos.

Sob esse tipo de influência e num mundo cada vez mais acelerado, os objetos do desejo mudam de maneira infernal a cada instante.

Permitimos que nossas expectativas; sejam submetidas a um conceito de tempo não real e sob o comando da pressa.
Quem usufruir disso ou daquilo primeiro do que o outro é o vencedor.
Como exemplo as crianças vão cada vez mais cedo para a escola, para que aprendam de forma acelerada. Quem se graduar mais cedo, passa a ganhar dinheiro mais cedo do que os outros; e passa a ser admirado, invejado, etc. Um vencedor.

    Essa forma de viver é muito perigosa:
    Ao avaliarmos as escolhas, isso quando o fazemos agimos como se nada viesse de retorno.
Não avaliar a possibilidade de cada expectativa; não trabalhar e não persistir para alcançá-la; faz com que seja abandonada e que logo outra tome o seu lugar.
O problema é que a escolha/expectativa que foi interrompida e descartada gerou efeitos; que lógica e inevitavelmente retornam na atualidade cada vez mais cedo. E isso pode levar á loucura. 
O tempo não apaga nada.
Está tudo registrado.
Qualquer efeito de escolha pode ser apagado; mas apenas quando ela for reformada; transmutada.
Nosso passado apenas pode ser apagado da nossa memória; jamais dos registros do tempo.

A melhor expectativa é viver um momento de cada vez, intensamente...

Paz e luz.

Livros Publicados

Livros Publicados
Não ensine a criança a adoecer

Pequenos descuidos, grandes problemas

Pequenos descuidos, grandes problemas

Quem ama cuida

Quem ama cuida

Chegando à casa espírita

Chegando à casa espírita

Saúde ou doença, a escolha é sua

Saúde ou doença, a escolha é sua

A reforma íntima começa no berço

A reforma íntima começa no berço

Educar para um mundo novo

Educar para um mundo novo