quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

SIM E NÃO E O BALDE DAS CONTRARIEDADES

Para atender a interesses de consumo interno, nem sempre confessáveis, na maior parte das vezes, é o desejo de sermos aceitos e amados; nós aprendemos a “engolir sapos” ou a atirá-los no baldinho da lixeira da paciência – o que não é ecologicamente correto; pois seu lugar é na lagoa dos desejos dos outros.

Frustrados por não conseguirmos nosso intento; um belo dia, nós chutamos o balde e espalhamos os sapos mentais e as melecas emocionais ali armazenadas; nos em torno.

Para evitar esses desastres na ecologia psicológica:

A arte da comunicação da honestidade de propósitos é um fator cada vez mais importante em nossas vidas.

Não adianta aprendermos a usar internamente o conceito sim e não com maestria e de forma transparente: clara, simples e honesta; se não dominamos a arte de comunicar nossas idéias, sentimentos e emoções (muitos temos essa dificuldade).

O que é o sapo mental?
O desejo de gritar não; e se obrigar a dizer sim.

Dependentes de aceitação, afeto, e amor; nós usamos com freqüência a forma inadequada de comunicação atráves das atitudes do tipo: Será que você não vê o que está fazendo comigo?

Quando não usamos a rota de fuga através da doença para punir os em torno; engolimos sapos nem sempre digeríveis.
Ou:
Imaturos, pouco competentes em dominar as emoções e sem muita coragem, criamos a figura do baldinho imaginário onde atiramos as contrariedades que engolimos dia após dia. E de repente, temos atitudes que contrariam frontalmente nosso antigo padrão de concordar e de discordar: entornamos o balde ou “chutamos o pau da barraca” em cima de alguém.
Quem assiste a uma cena dessas, lógico que não tem ciência do que estava acumulado e, não vai entender tamanha disparidade entre causa e efeito. Depois, se chamados de loucos, neuróticos.., nos ofendemos, nos magoamos.
Costumamos esquecer que ninguém é adivinho. Que as pessoas não tem uma bola de cristal à disposição para imaginar o que se passa na nossa cabeça.

Cuidado com a desculpa que até Jesus chutou o pau da barraca dos vendilhões do templo. Situações diferentes; e Jesus sempre foi muito direto e claro: sim, sim, não, não – Ele não tinha nenhum baldinho onde colocar seus melindres, mágoas... – Daí, não sofria de gastrite, pressão alta, cefaléia, não tinha problemas na tireóide, diabetes, nem morreu de câncer.

Aposentemos o baldinho das mágoas e melindres; aprendamos a dizer com clareza e honestidade de propósitos o que deve ser dito; de preferência com a elegância que só os simples conseguem Ter.

Em tempo, copie a natureza e cuide bem dos seus sapos mentais; pois eles são ótimos para devorar as larvas da raiva, inveja, intolerância, impaciência e até as larvas do dengoso melindre...

Se forem sapos afetivos, a mulherada que se cuide; pois um deles pode se transformar num príncipe desencantado...

2 comentários:

Marli de Azevedo Jácomo disse...

Olho gordo mata Dr.?
Olho frustrado também.
Quando nos transformamos na frustração alheia, sem a devida proteção, até adoecemos.
Quando passamos a ser ou supostamente "ter" os sonhos alheios (o "ter não existe) recebemos os baldes com todas as mágoas, rancores e desejos frustrados dos em torno.
E pasmem! Tem quem quer nos tirar até o que nem é nosso, assim não correm o risco de nos ver felizes.
Nessa hora vem aquela vontade de deixar de ser vidraça, deixar de ficar na vitrine, assim quem sabe ninguém nos nota e nos deixam ser feliz em paz.
Perdão pelo desabafo Dr. acho que essas palavras foram o balde que eu queria chutar.
Muito Obrigada!
Marli de Azevedo Jácomo

Américo Canhoto disse...

É isso amiga.
solta a sapaiada de volta na lagoa.
Abraço.

Livros Publicados

Livros Publicados
Não ensine a criança a adoecer

Pequenos descuidos, grandes problemas

Pequenos descuidos, grandes problemas

Quem ama cuida

Quem ama cuida

Chegando à casa espírita

Chegando à casa espírita

Saúde ou doença, a escolha é sua

Saúde ou doença, a escolha é sua

A reforma íntima começa no berço

A reforma íntima começa no berço

Educar para um mundo novo

Educar para um mundo novo